S E X O

Por quê tão superestimado?
Essa história de faz de conta que com quem você transa, você se apaixona, não dá mais. E acrescento, que mesmo que você ame, não é daí que surge o sexo.
São coisas paralelas e perpendiculares ao mesmo tempo, já que não é porque o sexo é bom que você se apaixona, mas em compensação, uma má transa, pode mudar as coisas.
Engraçado como o laço, que às vezes envolve os dois, virou regra.
Quantas pessoas já não amaram alguém mas que de fato, nunca transaram com ela? Tem vezes, que nem ao menos se beijaram!
Imagino que a junção de amor&sexo deva ser incrível, mas não acho que mereça toda a atenção que recebe.

(Ou talvez, eu esteja falando besteira, já que nunca amei ninguém.)

Esgotou

Não consigo mais ser aquela que assiste, que imagina como deve ser, está na minha hora de sentir!

Fui reijeitada duas vezes em um ano, as duas vezes que mais me encantei. Uma foi diferente da outra como é de se imaginar, a primeira foi a decepção de um sonho, uma completa desilusão, já a segunda… fui enganada. Recebi olhares, toques, flertes, carinho, para no final ser só “pegação”.

Nesse mesmo ano, me senti de lado pela família, precisei me mostrar mais forte para família e fiquei mais ausente para ela.

No colégio, além de ver aquele q me enganou junto com seu novo amor, fiquei exausta, doente, nervosa, triste e tinha que estar mais presente do que nunca, para que no final, não tenha conquistado minhas metas.

Esse ano foi o pior da minha vida. Amor. Família. Estudos. Todos.

Torço para que essa seja a finalização de uma etapa, de uma Fernanda, que todos esses fracassos não me assombrem. Hoje, triste com tudo isso, tenho esperança que nada disso me preocupará mais.

Eu quero sinceridade: dos outros comigo e de meu subconsciênte comigo. Odeio ter que lutar para entende-los.

Sobre os outros, por que mentem? Por que não falam tudo de uma vez?

Sobre mim, como posso me enganar? Como posso esconder sentimentos de mim mesma?

Manias estranhas.

Por que nada pode facilitar? A vida é realmente para aqueles que são fortes?

Ao escrever essa última frase, me perdi em meus conceitos. Para mim, a vida não é um merecimento, não é uma etapa, é apenas  a junção dos eventos biológicos, químicos e físicos. Se a vida fosse mesmo para os que a aguentarem, ela teria algum sentido, algum porquê, mas não acredito nisso…

Me veio agora na cabeça, que mais uma vez, minha mente, mente para mim. Ela me enrola com termos como: destino.

Por que nós homens precisamos de fé?

Escrevo por mim, para mim, mas preciso que seja aberto assim.

Me acho engraçada, uso deste meio para desabafar, escrevo sobre minhas dores, minhas banalidades, meus costumes. E para quem?
Acredito que seja tudo uma questão metafórica que minha mente criou e que só hoje entendi.
Não é coeso escrever em um lugar público textos que não desejo divulga-los, falo sobre coisas aqui, que morreria se soubessem. E deixo-os aberto, e acredito que seja pelo “risco” de alguém estar lendo.
Qual seria o sentido de desabafar para mim mesma? Nenhum!
Sei que falo com um computador, algo inanimado, sem sentimento, mas que de alguma forma “me entende”. Toda vez que transcrevo o que sinto, descubro algo que não fazia ideia. Todo texto que inicio vem com uma ideia principal, um porquê de escrevê-lo, mas quando acabo vejo que não segui o roteiro.
Hoje mesmo, agora a verdade, sentei para dizer um pouco mais sobre a minha cabeça em relação a ele, algo super inovador nos últimos 3432 posts. Que aí pensei em escrever sobre o masoquismo em que me ponho e que acabou se transformando nesse texto.

*Reformulando

Passaram-se o que? Cinco horas do meu último desabafo?
E acredite ou não, já não estou do mesmo jeito .
É sério, não estou mentindo, não sou falsa, não sou mutante, eu sou mutável!
A verdade é que gosto de você. É… Ainda!
E eu não fingia para você que havia superado, eu acreditava naquilo. Mas calma, não pararei aí!
Não me submeterei a esta situação mais, sei agora que você não se diferencia dela. E o levarei do mesmo modo que a levo:
-não a odeio
-não deixei de amá-la
-não me faz bem
-não é de todo mal

E faço perante esses fatos um convívio amistoso mas não carinhoso. Com você, será assim: Você é meu amigo, não mais meu amante.

Meu pior vício

Você me enlouquece, me beijou estadando com ela

eu quis seus beijos por muito tempo

e ao sentir seus lábios, um sorriso explodiu nos meus.

Passaram-se segundos e me afoguei em lágrimas.

Foi um choro sofrido, doia muito.

Tanto que mostrei minhas dores aos outros.

Eles a entenderam e me abraçaram de longe.

Eu sei que você me destrói e todos vêm,

mas não quero te tirar do meu alcance.

Gosto da sua companhia mesmo que parcial…

Tenho consciência que mereço mais,

mas estou cansada, onde está o melhor?

Há dias que nem acredito que exista algo bom para mim.

Chego às vezes a duvidar de minhas atitudes

Achando até que mereço o pouco que recebo.

O que mais justificaria?

Será que consigo ser amada?

Não mais uma ilusão

Já tive medo de estar me enganando, cegando me com minha própria imaginação… Hoje soube que não, não estou errada.
Não sou só eu que vejo ou aqueles que mostro o meu lado, seus amigos também acham que você sente algo por mim… Disseram que você não sabe o que quer, se sou eu ou ela.
Você está com ela, sei disso, sei que gosta dela, reparei como você a acaricia… Mas acredito mesmo que você queria também estar comigo. Vejo você tendo ciúme quando estou com alguém e isso me faz sorrir mas a verdade, acho que me faz mal, enquanto o vejo preocupado com quem estou, olho ainda mais para você…
Sinto sua falta às vezes, sabia?
De nossas conversas sobre cidade utópicas que construiríamos juntos, das nossas discussões sobre fotos e também de seu toque, seus beijos, seu sorriso bobo vindo em minha direção, sua caricia…
Enquanto tive todas essas coisas, sabia que não seriam eternas, mas fazer o que né? A esperança é sempre a última a morrer.